Eu, Tu, Elas entrevistam: Graziela Mantoanelli, idealizadora do documentário “De peito aberto”

por Helô D’Angelo

“Tudo começou quando minha filha, Clara, nasceu”. Assim a atriz e produtora cultural Graziela Mantoanelli inicioua conversa com a gente. E arrepiou. Foi amamentando que ela percebeu o quanto a informação de qualidade e o apoio da família, dos amigos e dos médicos ajuda nessa primeira fase da relação entre mãe e bebê. E foi aí que surgiu “De peito aberto”, um documentário sobre o aleitamento materno que tem como objetivo desmistificar o tema, acabando com idealizações e preconceitos.

No filme, cinco mães resolvem alimentar os filhos recém nascidos apenas com leite materno, durante os primeiros seis meses de vida. Sem nenhuma pretensão de fazer dinheiro, a produção está pedindo contribuições no site de financiamento em grupo benfeitoria, e foca em informar e empoderar mães pelo Brasil inteiro. Afinal, como disse Graziela, “tudo começa na amamentação”. Confira nossa entrevista com a produtora:

*

Eu, Tu, Elas: Como surgiu a ideia do filme “De peito aberto”? Qual foi a primeira provocação?
Graziela Mantoanelli: A primeira provocação foi minha filha, Clara. Hoje, ela tem 2 anos e 10 meses, mas quando ela nasceu, eu fui uma das mães que lutou muito para alimentar o bebê exclusivamente com leite materno, como manda a Organização Mundial da Saúde. Passei por muitas dificuldades, mesmo sendo bem informada, tendo o apoio da família e tendo uma rede ao meu redor. Eu comecei a me dar conta de que existem mulheres que não têm tudo isso.

Eu sentia que falar sobre isso era um tabu, porque as epsacham que amamentar é natural, fácil, que o bebê nasceu, acabou. Mas não é assim. É uma fase muito difícil, ainda mais quando a mulher tem pouca informação e está sozinha.

Mas também é uma fase importante, porque tudo começa na amamentação. O leite materno é o primeiro contato do bebê com o mundo, e se fala muito pouco disso. E, quando se fala, é de um jeito idílico e romantizado que não tem nada a ver com a realidade. Cuidar de um bebê recém nascido é muito dificil, a mulher precisa de toda uma rede, não consegue sozinha.

de peito
Clique e contribua para o lançamento do documentário.

Além da romantização, existe um preconceito em relação à amamentação, né?
Sim, super! Tem muita falta de informação. A questão de que o leite materno não é o suficiente para o bebê é algo que as indústrias médica e farmacêutica vêm trazendo desde os anos 60. os próprios profissionais de saúde substituem o aleitamento de forma indiscriminada. É um horror.

Tem mulheres que não querem amamentar, e eu entendo. Se ela não quer, o corpo é dela. Mas ela precisa ser informada o suficiente para conseguir fazer essa escolha de uma forma melhor. A mulher precisa saber, por exemplo, que o leite materno previne doenças como obesidade e diabetes na infância e na vida adulta.

Nós vivemos em uma sociedade machista, que não pensa sobre isso, que não fala disso. Até a nossa página no Facebook foi derrubada por, segundo o site, veicular pornografia, você acredita? Ficamos três semanas fora do ar porque postamos imagens de mulheres amamentando. Perdemos quase um mês de campanha, já que o Facebook é nossa principal ferramenta de mobilização.

A sociedade esquece que a função do seio é alimentar os filhos, e não entende que a amamentação pode gerar seres mais empáticos, porque a mãe se dedica para o filho. A gente precisa colocar essa semente nos nossos filhos, e a dedicação é uma das formas de fazer isso.

O que significa esse tema para você?
Acho que é importante dizer que o tema do filme é amamentação, mas estamos falando, na verdade, dos direitos das mulheres, e do lugar das mulhere na sociedade. E isso engloba tanta coisa! É o respeito, a igualdade, a melhor forma de realizar as escolhas por nós mesmas, a liberdade.

Temos que garantir a escolha da mulher. Para fazer isso, precisamos primeiro fortalecê-la trazendo informações de qualidade para ela. Essa é a nossa intenção. 

 

grazi2
A entrevistada: Graziela Mantoanelli é atriz e produtora cultural e criadora do documentário “De peito aberto”
11150849_1072206146126981_1699865060688142378_n
A entrevistadora: Helô D’Angelo tem 21 anos na cara e nenhuma ideia do que fazer quando terminas a faculdade de jornalismo.
Anúncios

o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s