Pare de romantizar a maternidade: mães são pessoas

Por Michelle Ferreira

Em solidariedade a todas as mães que têm coragem o suficiente para serem honestas consigo mesmas, eu queria contar um pouquinho do que foi o meu puerperio [período que vai desde o parto até o corpo da mulher voltar ao normal].

Todos que me conhecem sabem o quanto eu sou babona, dedicada, amorosa e preocupada com a minha filha. Mas aqueles que me conhecem bem o suficiente sabem o quanto eu surto, o quanto é foda, o quanto eu me sinto, muitas vezes, sobrecarregada. Eu fico de saco cheio, eu fico sem paciência.

Desculpa se te ensinaram que o mundo é cor de rosa, e que mãe é um ser sobre humano, mas o fato é que maternidade é uma coisa absurdamente exaustiva.

Como mesmo meus amigos mais próximos talvez não saibam muito como foi tudo isso, deixa eu contar uma coisinha pra vocês: eu ODIEI a experiência da minha gravidez. Odiei todos os dias, com todas as forças.

Para começar, eu vomitei durante os 9 meses de gestação. Apesar de a grande maioria das mulheres parar de ter enjoos a partir do quarto mês, eu, com 34 semanas, ainda acordava ao menos seis vezes por noite pra vomitar suco biliar. Eu tinha dores horríveis porque o bebê se mexia demais. E eu fiz uma cesárea porque não aguentava mais ficar grávida.

Porque eu sou um ser humano e não estava mais suportando aquilo.

Amamentar foi a coisa mais bizarra e menos intuitiva que aconteceu comigo em toda a minha vida. O meu peito sangrava de feridas, a língua do bebê, que é ácida (e não molinha e delicada, como vocês devem pensar) corroía até a minha alma, e eu literalmente tremia e chorava por uma hora com a minha filha no colo mamando, todos os dias, cerca de 10 vezes ao dia. Porque eu sou um ser humano, e a minha pele é real. Minha pele se fere.

Eu me sentia burra e desinteressante porque não conseguia ler uma página sequer de nada, porque tinha um bebê com cólica, com fome, com frio, absolutamente dependente de mim, e de quem precisava cuidar. Eu me sentia feia, pálida, e tinha dias que não dava tempo de tomar banho ou até de fazer xixi, mas mesmo assim eu me obrigava a tomar 3 litros de água por dia para produzir leite.

O puerperio parecia que nunca ia acabar. E aí, você questiona como as pessoas sobrevivem a isso. Você se condena e se sente horrível por não entender a tal da “arte de ser mãe”. Por não adivinhar o motivo do choro da criança, quando você sempre ouviu que “mãe é um ser paranormal que sempre sabe“.

Você se culpa pela amamentação não ser aquela conexão incrível entre você e o bebê, aquele amor de momento que você achou que seria, porque o mundo te mostrou, te prometeu, te ensinou que a natureza era perfeita e que isso seria a coisa mais fácil de todas, afinal, você é uma mulher, você nasceu para isso.

Para a sociedade, como você é uma mulher, você é uma mãe. Isso já nasceu em você. Como você pode reclamar? É uma dádiva, um privilégio, fica calma! Não pode ser tão difícil assim… Engole esse choro, não pode ficar triste aqui, vai passar isso para o bebê…

Somos seres humanos. Nos ferimos, sentimos, choramos, perdemos a paciência, temos problemas de saúde, autoestima, medo, culpa. Parem de tratar as mães como seres perfeitos!

11638850_901399166592933_866196909_o
Michelle Ferreira cursa Audio Visual no Senac, tem 22 anos e vive em Sao Paulo, mas tem o coração no Rio de Janeiro.
Anúncios

7 comentários

  1. Eu AMEI e esse texto, e acredito que a famosa “depressão pós parto” se deve ao fato da mãe se sentir problemática quando esse início da maternidade não a deixa tão feliz como ela sempre ouviu que seria!

    Curtir

  2. Eu AMEI e esse texto, e acredito que a famosa “depressão pós parto” se deve ao fato da mãe se sentir problemática quando esse início da maternidade não a deixa tão feliz como ela sempre ouviu dizer que seria, e ela acaba acreditando que tem algo de errado com ela por não sentir o que parece que todas as outras mães sentem.

    Curtir

  3. Nem vou contar a historia toda, pq vai demorar muito e ja que a minha filha vai vir pedir minha atenção, então não tenho tempo de ficar conversando…. Resumindo, ja estou com depressão devido a maternidade, tenho ansiedade generalizada e sofro muito com tudo isso. Tem dia que ( na maioria das vezes ), qdo da 10 horas da manha eu queria muito q ja fosse de noite. Ninguém me ajuda em nada, e só meu marido e eu. Esta difícil demais… Eu que ja tenho um filho com 24 anos, achei q ia tirar de letra , foi ai q me lasquei…minha filha tem 1 ano e nove meses, e um terror, não dorme , só faz bagunça, birras e por ai vai…tem horas q da vontade de sumir . tem q ter muito amor, pq não tiver a gente faz besteira.

    Curtir

  4. Gostei do texto! É uma realidade dura… eu estou muito cansada! Me sinto sozinha pois parece que as mães que eu conheço são as ” perfeitas” vivem a tal maternidade cor de rosa…o mundo da fantasia! Nem perco me socializo com elas pois percebi que não me acrescentam…sinto muita da vida que eu tinha… obrigada pelo texto e desabafo!

    Curtir

  5. Precisava muito ler esse texto. Vejo que não sou a única que está exausta com a maternidade (cor de rosa). Me sinto a pior mae do mundo pq não me sinto realizada. Não aguento ver as pessoas mentindo sobre a maternidade.
    Obrigada pela sua verdade

    Curtir

  6. Bom.dia diante de tdo que li oenso q apesar dos pesares as mulheres são fortes, na maioria das, ao ponto de refazer a cada dia e fotalecer sua subjetivudade de mulher. Porém algumas orecisam cuidar da sua saúde mental com mais atenção, pois tem sintomas que parecem vir de um sofrimento alem do que poderiam enfrentar….

    Curtir

o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s