Poema: não se nasce mulher, te constroem uma mulher

por Marina Retamero

Eu nasci nua
Sem saber que meu corpo seria um convite
E para além do útero,
Ja me vi coberta
Eu não escolhi me cobrir
E não nasci sentadinha,
De pernas cruzadas
Mas no banco da mesa ja ouvia
“Senta direito, que nem mocinha! ”
Eu não nasci pra trabalho de casa
Ganhei ferro, fogaozinho, cozinha
E uma boneca pra chamar de filhinha
Uma não! ” tem que ter irmãzinha ”
Tem que ser delicadinha
Comportadinha
“Inha!”
No imperativo pra eu não questionar
No diminutivo pra eu não me empoderar.
Eu não podia ter força
Não podia ser bruta
Não podia ser ágil
Carrego meu sexo frágil.
Eu não nasci num universo cor de rosa
Me deram vestido cor de rosa
Unha cor de rosa
Quarto cor de rosa
E eu só queria pintar de azul…
Eu nasci aos berros,
Nasci chorando,
Implorando por liberdade
E tentaram me calar.
E tentam me calar.
” fecha a boca menina ”
” fala baixo menina ”
Eu não nasci com medo,
Não nasci insegura,
Me sentindo feia,
Nem burra
Eu não nasci com cuidado,
Aprendi a ter cuidado, aprendi a sentir medo,
Aprendi a me sentar, me vestir, me maquiar
Aprendi a cozinhar
E quase,
Quase tiveram a proeza
De conseguir me calar.
Não vao me calar.
Porque eu não sabia que meu corpo era um convite
E não me perguntaram se eu queria aceitar.

Anúncios

o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s