Explicando feminismo para a sua avó: o que é feminismo?

A série Explicando feminismo para a sua avó, de  Beatriz Cuvolo, é um jeito alternativo de apresentar a militância para as mulheres mais velhas – sem assustá-las ou deixá-las à margem. Usamos, também, uma fonte maior para facilitar a leitura.

Beatriz Cuvolo

“Eu tinha uma prima lá no interior da Bahia, que morava perto de casa. Ela era novinha e se casou com um cara um pouco mais velho. Até ai tudo bem, né? Ele tinha cara de bonzinho e tudo, mas quando saía para trabalhar, trancava minha prima dentro de casa e amarrava o saco de farinha em cima da porta e ela só podia comer a farinha – tudo que tinha na casa – quando ele chegasse.
Mas não era só isso, não. Lá, a gente fala que tinha um terreiro, aqui vocês já falam quintal. Ele varria o terreiro todinho, [varria] a terra e deixava a bem lisinha, e se ele visse que alguém tinha pisado no chão do terreiro, ela apanhava. Um dia, meu pai foi cobrar ele, parece que ele “tava” devendo uma vaca, mas o marido dela não estava lá na casa. Quando ele chegou deu uma surra nela, chamou de que ela era uma vagabunda que recebia homem em casa quando o marido saía pra trabalhar”.
Eu pergunto: “E aí, vó?”
“E aí que o pai dela foi lá na casa salvar ela e os dois filhos também, levaram ela embora pra casa deles. Mas não teve jeito não, fia. Aquele cara parecia o cão. Ele ficava escondido no meio do mato e chamava os filhos, ai ele se fazia de coitado para os filhos e eles pediam pra mãe voltar com o pai”, ela responde.
“E ela voltou?”
“É, fia, o que uma mãe não faz pelos filhos? Ela deve ter voltado umas duas ou três vezes. Mas aí, pegou uma tuberculose e morreu cedo”.
“E o cara?”
“Ele deixou os filho tudo com os vô  e arrumou outra mulher. Mas agora, com fé em Deus, ele deve tá no fogo do inferno!”
Essa história é real e não faz tanto tempo assim que aconteceu. A tal moça era prima da minha avó, que hoje tem 78 anos. Ou seja, toda essa crueldade (que é frequente até hoje) aconteceu há menos de 50 anos. Tortura psicológica, cárcere privado, violência física, humilhação…..
Ela foi mais uma vítima do patriarcado, ou seja: da sociedade dominada pelos homens, essa em que a gente vive. Ela foi vítima do machismo, a ideia de que os homens são superiores às mulheres – que está tão enraizada na nossa cultura. Vítima do silêncio, do medo, da vergonha.
Infelizmente, é muito provável que essa história se repita e também seja esquecida. Vai ser enterrada junto com a mulher que sofrer e que for silenciada por tanto tempo. Sabe qual é o único jeito de ajudar essas mulheres? Simples: se juntando com outras mulheres para interromper essa repetição interminável de histórias como essas. Cabe a nós, mulheres, não esquecermos tudo isso. Cabe a todas nós, mulheres, proteger, e ensinar e ajudar umas as outras!
Vó, tia, mãe, prima…. Mulheres. Antes de tudo, esqueça tudo de ruim que você já leu sobre o feminismo, esqueça o que aquele seu vizinho já disse sobre o movimento, sobre as mulheres que participam dele, esqueça também aquilo que você já viu e ouviu na televisão, no ônibus, ou até saindo da boca do seu genro ou cunhado.
O feminismo é uma luta das mulheres, uma luta para que nós não sejamos mais violentadas, espancadas ou molestadas como a prima da minha avó. É para que nós tenhamos direitos iguais aos homens – o salário é uma dessas lutas: você sabia que para nós, mulheres, o ganho é cerca de 30% menor que o dos homens, para um mesmo trabalho? Pois é.
Ou seja, o feminismo é uma luta sua
O movimento surgiu na segunda metade do século XX, junto com a luta das mulheres pelo voto (o sufragismo). Mas mesmo antes disso, muitas outras mulheres deram a vida para que a senhora tivesse o poder de votar, de se separar, de ter uma casa no seu nome, de receber salário, entre tantas outras coisas que parecem tão básicas, mas fizeram e ainda fazem uma diferença enorme na vida de todas as mulheres.. Muitas mulheres se rebelaram contra sua condição, lutaram por liberdade e muitas vezes pagaram com a própria vida.
Mas o que é liberdade? Depende. Para algumas, pode ser trabalhar e ter o próprio dinheiro; para outras, simplesmente poder sair de casa para dar uma volta, como a da história acima. Infelizmente, você já deve ter ouvido, ou ate testemunhado, histórias parecidas com a descrita. E sempre depois da aflição de ver ou ouvir essas histórias, vinha a frase “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.
Mete, sim! Quantas vezes a senhora que está lendo isso agora já ajudou uma vizinha que apanhava do marido, que era presa em casa, que sofria pressões de todos os tipos, a sair dessa situação? Ou quantas vezes você não ajudou, mas sentiu que gostaria de ajudar? Quantas vezes você se colocou na pele de outras mulheres que sofriam?
O feminismo é isso: mulheres se dando força, se apoiando, lutando juntas para viverem em condições de igualdade. Só isso!
Nós, mulheres, feministas, muitas vezes sem saber que somos feministas, reivindicamos o básico, o óbvio e que ainda nos é negado em várias situações do nosso cotidiano, tanto por outros indivíduos quanto pelo Estado. Não, feminismo não é um movimento de adolescentes que não têm nada o que fazer e que só querem mostrar o peito na rua, como dizem por aí.
O feminismo é uma luta política que quer apenas equidade entre os gêneros. Um movimento que agrega milhares de mulheres espalhadas pelo mundo com o mesmo objetivo, e muitas vezes pagando com a própria vida para que nós, nossas filhas, sobrinhas, netas e todas as que estão por vir tenham um futuro melhor.
Ajude suas vizinhas, suas amigas da novena, do culto, do baile, do bar. Ajude sem elas pedirem ajuda. Não existe o marido bom que não vai fazer de novo, ele vai. O feminismo não mata, o feminismo salva.
 No próximo Explicando feminismo para a sua avó: o que são vertentes?
16901727_1249416801774002_717289221_n
Beatriz Cuvolo, 19 anos. Jornalista em formação. Apaixonada por contar histórias de pessoas reais para pessoas reais. Em busca do que é belo e vulgar.

Um comentário

  1. Parabéns, texto claro e de fácil entendimento! Vi isso acontecer com vizinhas/amigas no meu país de origem(Brasil) e vejo isto acontecendo aqui do outro lado do mundo onde vivo(Londres). Depois de tanto ouvir e ler sobre o feminismo, isso tem somente 3 meses aproximadamente me fez e faz enxergar essas situações que antes me passavam despercebidas. Mas precisamos agir. Parabéns novamente Beatriz Cuvolo, anciosa pela próxima matéria!

    Curtir

Deixe uma resposta para Mel Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s